11.6.11

10 degraus até Dublin

Dublin ficará para sempre na memória dos Braguistas pela final da Liga Europa, contudo para
mim será mais especial por ter vivido de forma mais intensa e ter assistido in loco ao jogo mais
importante de sempre da História do meu Braga até à presente data. A possibilidade de ver
erguer naquele palco uma das mais importantes taças europeias a nível de futebol, fez-me
atirar de cabeça numa viagem onde não havia espaço para pensar duas vezes se seria uma boa
escolha ir. Poderá esta ser a única oportunidade que a vida me dá para assistir a tal momento,
onde o nome do Braga poderia ser levado aos quatro cantos do Mundo, fazendo com que esta
conquista se tornasse célebre pelo feito e lembrada pelo derrotar de vários Golias pelo mesmo
David, pelo mesmo clube humilde, pela mesma Legião, pelo bravo povo que se orgulha e ama
o Braga que é seu por direito, sendo o resultado a parte menos valorizada por tal amor,
positivo ou negativo, apenas importa a paixão com que os adeptos apoiam a equipa numa
caminhada que este ano nos trouxe das maiores alegrias possíveis e imaginárias ao contrário
das opiniões de quem não merece ser lembrado. Após este tempo ainda não sou capaz de
acreditar que estive lá. Nunca pensei poder ver e viver com tanta emoção uma final europeia.
É certo que não trouxe de lá a tão desejada Taça da Liga Europa, mas mesmo assim foi para
mim um sonho tornado realidade, pois nem no mais puro sonho de menino seria capaz de
imaginar possível que o meu clube, o meu Braga, atingisse tal feito entre tantos tubarões. Parti
com a incerteza do que poderia o meu Braga fazer com os olhos da Europa postos no jogo da
vida de cada valente Guerreiro. O meu frágil coração ameaçou parar assim que as equipas
perfilaram no relvado e a força de todos que trouxe na mala não parecia a suficiente para que
o coração voltasse a pôr em circulação o sangue que corre nas veias. A verdade é que uma
força maior se ergueu e lá aguentei firme todo o jogo, todos os sustos, a traição do central e o
levantar do troféu pelo adversário. Uma lágrima ameaçou cair e escorrer ao ver aquela equipa
abatida, destroçada mas que me continuou a encher de orgulho quando mostraram aos
presentes o troféu que alguma imprensa quis esconder do povo, porque mesmo os vencidos
têm direito a troféu, uma vez que para perder é preciso lá estar. Caímos, mas caímos de pé e
orgulhosos pois decerto nunca ninguém outrora imaginou que pudesse o Sporting Clube de
Braga estar tão perto desta Final para poder erguer o caneco. Confesso sem qualquer tipo de
vergonha que sonhei por diversas vezes ser possível levantar o Braga esta taça. Não se realizou
o sonho mas dá-me uma enorme vontade de gritar Amo-te Braga pela valentia e ousadia qual
Joana D’arc

5 comentários:

md disse...

gosto, gosto, gosto *.*

md disse...

continuarei claro, (: e obrigada (:

Duarte disse...

Por que será que eu entendo tão bem isto? :D

Cidchen disse...

Um momento para nunca mais ser esquecido, sem dúvida alguma.

eduarda matos disse...

um braguista nunca esquecerá este momento, aconteça o que acontecer!